O Brasileirão, a Copa do Brasil e a (des)confiança


Por - 09/05/2015 às

Estar há quase 14 anos sem ganhar um título é um fardo que todos nós, gremistas, carregamos com muito esforço e tristeza. Não é mole continuar investindo em algo que não dá resultado há mais de uma década. Seria trágico se não fosse cômico; se não fosse futebol. O grito de campeão está preso em nossas gargantas, eufórico para ser solto. Será neste ano?

O primeiro objetivo do Grêmio para 215, que era o Gauchão, não foi conquistado. Estávamos todos confiantes no título que era quase que obrigação, e que tínhamos plenas chances de conquista-lo, mas que nos foi tirado pelo Internacional. Que foi superior. A primeira punhalada foi dada cedo em nossos corações. Seguimos.

A Copa do Brasil já começou. Este foi nosso último grande título, lá em 2001. O Tricolor passou pelo Campinense na fase preliminar e vai agora para o próximo mata mata com grande risco de também avançar de fase na competição em que somos tetra campeões. Será que vem o penta?

Amanhã começa o Campeonato Brasileiro 2015 para o Grêmio (ia citar quanto tempo havia que não ganhávamos este, mas... melhor não). Um campeonato de pontos corridos em que o time de melhor campanha leva o título. O Grêmio tem culhão para fazer frente à outros dezenove times e construir uma excelente campanha para no final gritar “é campeão”?

Felipão chegou em julho do ano passado. Não conseguiu fazer muita coisa, deixou o Grêmio em setimo ao fim do Brasileirão e seguiu seu trabalho. Agora, depois de toda uma pré-temporada de muito trabalho com o elenco, o comandante terá um ano cheio para tentar mudar a história. Fazer-nos felizes outra vez.

Nosso elenco não é lá essas coisas. Não temos craques, não temos jogadores com estrela. Temos pessoas que jogam futebol. Alguns guris que se destacaram na base e subiram. Mas os campeonatos que o Grêmio irá disputar este não são para garotos, e sim para homens. Sendo assim, presume-se que não será fácil. 

“Se fosse fácil não seria Grêmio!”, “Contigo na boa e na ruim!”, “Torcida que nunca abandona!”. Frases que dizemos todo santo ano e que nada mudam. Por mais que a torcida esteja presente e apoie, parece que são indiferentes. ‘‘Ah, mas então você é contra apoiar o Grêmio?” Não, mas há de se parar e pensar. Qual investidor arriscaria seu dinheiro em uma empresa falida? Nenhum.

Ok, a relação torcida versus time é outra coisa. Mas a cada ano que passa, e a cada nova decepção em não ter a alegria de se comemorar um título, nossas forças vão se perdendo. A confiança vai diminuindo. A cada derrota temos a sensação de que é o fim. Estamos ferindo nosso orgulho a cada final perdida.

Não é querer ser pessimista, mas nas condições atuais e com base naquilo que vi(mos) nos últimos anos, a perspectiva do Grêmio em relação a títulos para esse ano não parecem nos dar alegrias. Um tom ressabiado paira sobre minha/nossas cabeças com relação à capacidade de reação clube.

Talvez este seja o ano da virada; talvez não. Talvez seja um ano espetacular e surpreendente; talvez não. Talvez seja só mais um, ou até pior do que os outros. Confio no Grêmio, mas desconfio que ele ainda seja capaz de nos alegrar. Espero estar errado.

Compartilhe no Google+

Comentários