Felipão, a arbitragem e a mídia


Por - 12/03/2015 às

Vimos na noite da última quarta-feira, 11/03, mais um episódio da série de intrigas Felipão versus arbitragem. O técnico foi expulso de campo aos 27 minutos do segundo tempo, na vitória do Grêmio sobre o Ypiranga, por ter reclamado e chamado o árbitro Francisco Neto de "Chico Colorado" e insinuado que o árbitro é "colorado doente".

As declarações foram registradas em súmula pelo juiz da partida. Segundo o juizão, Luiz Felipe havia tomado uma advertência pouco antes de ter sido expulso; após reclamar de uma falta cometida em Braian Rodríguez. Para "piorar" a situação, Big Phil não apareceu na coletiva de imprensa depois do jogo.
Mateus Bruxel  / Agencia RBS
Vamos por parte: a reclamação. Justa. Reclamar é do jogo. O árbitro já havia cometido alguns enganos em lances anteriores àquele em que Felipão reclamou e foi expulso. A falta em si, foi forte, talvez, para cartão, e foi esse o ponto da reclamação de Felipão. Reclamação sempre existiu e sempre existirá.

Expulsão: o teor da reclamação foi julgado como "excessivo" pelo arbitro, e ele acabou expulsando Felipão; que saiu o chamando de "Colorado", "Chico Colorado". Neste ponto, Felipão errou. Foi no calor do momento, mas foi algo que poderia ter sido evitado, era desnecessário e se tornou algo "nossaaa". O juiz prejudicou o Grêmio, sim, e agora pode prejudicar Luiz Felipe, que vai se incomodar também.

Coletiva: foi a decisão correta a - sabe-se lá por quem (a princípio da diretoria) - tomada. Todos sabem como a mídia funciona, é pressão e mais pressão na busca pelo detalhe da informação. Felipão saiu de campo claramente muito irritado, o caos criado pelos repórteres só iria piorar a situação e ai ninguém pode imaginar o quanto esbravejaria Scolari.

O que mais chamou atenção no caso todo foi à proporção que o fato tomou, na mídia e nas redes sociais. Colorados e jornalistas atônitos dizendo que Felipão havia "cansado do futebol", que Felipão "traíra a torcida", que Felipão foi mau caráter por não aparecer na coletiva, que ele era pago para isso e não cumpria suas obrigações; enfim todo o tipo de teoria possível para instalar uma "crise" no Grêmio, que acabara de ganhar do Ypiranga fora de casa.

Não entendi o porquê de tanto espanto. Todos nós conhecemos Felipão de outros carnavais, já cansamos de ver suas encrencas com árbitros e repórteres da imprensa. O que aconteceu ontem foi mais um caso de intriga entre os lados. Não foi o primeiro e não será o último. Felipão sempre defendera o Grêmio, árbitros sempre tentarão fazer seu melhor, e jornalistas seguirão na busca pela informação, pelo furo. É do jogo. 

Citei ali em cima que foi uma atitude certa a de preservar Felipão dos jornalistas ao final da partida. O técnico já estava com os nervos à flor da pele, qualquer coisa mal interpretada na entrevista poderia prejudica-lo ainda mais. Assim como é estressante ser técnico, é estressante ser árbitro, é estressante ser jornalista. É estressante ser.

Discussões entre os três profissionais, que por vezes trabalham juntos, sempre darão bons debates sobre o tema. Depende cada um interpretar de um modo.
Compartilhe no Google+

Comentários